Descrição da maior série de casos de doentes COVID-19 por parte das entidades de saúde Chinesas: 72 314 doentes: A análise descritiva deste significativo número de doentes mostra-nos que 1% dos doentes eram assintomáticos, mas 14% apresentavam formas graves da doença e mostra-nos ainda que a taxa de letalidade foi de 2,3%.

-Lopinavir-Ritonavir: num ensaio clínico recente com 199 doentes adultos com COVID-19 grave, a associação de lopinavor-ritonavir não mostrou benefício superior ao da terapêutica padrão. 

- Eficácia da hidroxicloroquina na COVID-19: num ensaio clínico randomizado publicado a 31 de março de 2020, que incluiu 62 doentes com COVID-19, o uso de hidroxicloroquina associou-se a redução do tempo até à recuperação clínica e promoveu uma resolução mais rápida da pneumonia.

- IECAs/ARAs e infeção por COVID-19: 2 excelentes revisões sobre a relação entre o sistema renina-angiotensina-aldosterona e a infeção COVID-19. Apesar das especulações fisiopatológicas iniciais, com a evidência atualmente disponível surge a recomendação inequívoca da Sociedade Europeia de Cardiologia de que os doentes devem manter a sua medicação (IECAs e ARAs) de forma a evitar a descompensação da sua patologia cardiovascular.

"https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMsr2005760"

"https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/HYPERTENSIONAHA.120.15082"

"https://www.escardio.org/Councils/Council-on-Hypertension-(CHT)/News/position-statement-of-the-esc-council-on-hypertension-on-ace-inhibitors-and-ang"

- Controvérsia sobre a utilização de AINE em doentes com COVID-19: recentemente foi levantada a hipótese dos AINE, nomeadamente o ibuprofeno, poderem aumentar o risco dos doentes infectados por coronavirus. Esta hipótese surgiu na sequência de uma série de 4 casos de crianças com COVID-19 que tinham sido medicadas com ibuprofeno e que tiveram pior evolução. No entanto, não existe evidência robusta que comprove este potencial risco. Na sequência da controvérsia em torno deste assunto, a Organização Mundial de Saúde afirmou recentemente que não existe evidência de que o ibuprofeno agrave a COVID-19.

 

Our website is protected by DMC Firewall!